Voce já percebeu que o verbo desistir costuma ser mal interpretado no cotidiano? Isso até faz sentido porque, ele sugere uma ideia de fraqueza e fracasso ao sujeito que o conjuga.

Seria o sentido oposto de vencer ou persistir.

Precisamos de muita cautela e empatia ao ouvirmos um indivíduo falar de suas desistências.

Pode ser que aquela desistência tenha sido o divisor de águas para aquela vida, um verdadeiro ato de heroísmo.

Nem sempre, quem desistiu fracassou. Por trás de muitas desistências há muito de altruísmo, tentativa de resgatar-se e, principalmente, um desejo autêntico por uma chance de fazer diferente.

A jovem mulher, que desistiu de uma carreira profissional para se dedicar ao casamento e aos filhos, não pode ser vista como uma fracassada e sim como uma pessoa altamente altruísta, capaz de anular alguns de seus sonhos para dar o que tem de melhor à sua família.

Esse olhar empático serve também para aquela mulher que decidiu abandonar um casamento no qual sentia-se sepultada viva.

Mesmo sendo julgada por muitos como alguém que “fracassou” no casamento, ela, na verdade, foi a sua própria heroína.

Desistir, de algo ou de alguém, nunca foi fácil e nunca será algo fácil. Por mais aversivo que seja o contexto, o indivíduo se percebe preso ali, como uma aranha na teia.

Recomeçar é assombroso porque, muitas vezes, as pessoas se sentem vulneráveis, sozinhos, sem apoio e socialmente apedrejados.

SOMENTE OS FORTES CONSEGUEM DESISTIR DAQUILO QUE OS PREJUDICA.

Desistir das drogas; dos abusos alimentares; da preguiça de se exercitar.

Desistir de se esconder à sombra de alguém e mostrar sua própria personalidade, enfim, são tantas desistências heroicas, não é?

As desistências nos salvam todos os dias, assim como as nossas escolhas.

E é encantador perceber que, enquanto estamos vivos, podemos nos perder e nos encontrar nesse emaranhado de possibilidades.

E assim, vamos bordando as nossas histórias, sem jamais desistir de acreditar que somos capazes de encontrar motivos para sorrir com autenticidade.

Não sinta vergonha de ter desistido de algo ou alguém que te fazia infeliz. PENSE NISTO HOJE DIA 30 DE JANEIRO COMEMORA-SE O DIA DA NÃO VIOLENCIA E DA PAZ E É TAMBÉM COMEMORADO O DIA DA SAUDADE

==

Na quarta-feira, em uma cerimônia no Palácio do Planalto. Uma carta de apoio, lida no evento, diz que Bolsonaro realizou “notáveis feitos” em “diversos setores produtivos” e é um “um governante que trabalha em prol de seu povo”. O presidente, por sua vez, agradeceu ao apoio que os sertanejos durante a campanha eleitoral. Na mesma cerimônia, um representante de produtores de evento pediu a Bolsonaro o fim da meia-entrada em evento culturais e uma mudança na regulamentação dos direitos autorais.

De acordo com lista divulgada pelo Palácio do Planalto, estiveram presentes 56 artistas, entre eles as duplas Bruno & Marrone e Cesar Menoti & Fabiano, além de Cristiano (da dupla com Zé Neto) e do ator Dedé Santana, ex-integrante do grupo Os Trapalhões.

Secretaria de Cultura: Bolsonaro diz que Regina Duarte ‘vai poder trocar quem ela quiser’

O locutor de rodeios Cuiabano Lima, titular da festa do peão de Barretos (SP), discursou no início da cerimônia e leu a carta de apoio. “Expressamos espontaneamente nossos agradecimentos pelas ações e medidas do governo e manifestamos nosso apoio. Queremos que o Brasil continue trilhando um caminho de prosperidade para seu povo”, diz o texto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *