Sejamos sinceros, hoje em dia, quem não usa o facebook? Quem não usa o whatsapp para enviar mensagens, fotografias e fazer chamadas? O nosso mundo “virtual” mudou e temos de nos adaptar a esta nova realidade.

Atualmente, as pessoas estão totalmente conectadas, e no universo adolescente existe uma linha tênue separando os lados positivos e negativos dessa interatividade. As redes sociais são muito atrativas para todos, e a comunicação é o ponto forte dessa influência digital.

As redes sociais já fazem parte da vida de qualquer jovem ou adolescente de forma intensa, muitas vezes até se tornando um vício. O ambiente online é importante, pois é nele que o jovem se atualiza e interage com os amigos. Para quem sabe tirar proveito, é um ótimo aliado aos estudos, pois conseguimos encontrar materiais de diversos tipos e assuntos.

Mas como a maioria dos brasileiros utilizam com freqüência as redes sociais, é fácil perceber que os usuários sempre postam mensagens positivas,fotos felizes, em lugares lindos, radiantes.

Ostentação é uma palavra que é muito praticada diariamente.

É foto com produtos, no espelho, nos restaurantes, bares, em casa etc..

E a beleza? Maquiagens para um lado, “corpo perfeito” para outro. Dicas, dicas e mais dicas. Como você deve fazer para isso e aquilo.

No fim, é o que você deve fazer para não ser você e ser aquela imagem “photoshopada” da rede.

Realmente, as redes sociais digitais tem muitas pessoas com vidas interessantíssimas.

Se alienígenas nos observassem pelas redes sociais, com certeza eles concluiriam que a humanidade é muito feliz. Essa felicidade é falsa, na verdade.

A única coisa que as redes sociais geram é inveja e infelicidade. Quanto mais alguém vê a vida falsamente perfeita de outros, mais esse ele questiona o porquê sua vida não é assim.

Essa infelicidade leva para a ansiedade e depressão. Tudo isso é um grande teatro.

Parece que estamos com medo de mostrar que somos imperfeitos, que choramos, que somos mortais, que sofremos e, por vezes, a vida é um belo de um problema.

À medida que escondemos nosso sofrimento, fingimos que eles não existem. O fato é que eles crescem e incomodam cada vez mais, até que você os perceba.

Fingir que você não está sofrendo é sofrer duas vezes: sofre por fingir, e ainda sofre por não se permitir sofrer.

Sofrer faz parte da vida e não devemos negar tal emoção e sentimento. Vale, no entanto, parar de passar uma falsa felicidade quando não estamos bem. E, talvez, até nos recolher, para dentro, para as redes internas, para dar ouvidos à alma.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *